domingo, 5 de junho de 2011

Antes de P e B, só se escreve M

Isso todo mundo aprende ainda pequeno, quando está sendo alfabetizado, mas pouca gente sabe por quê. A explicação é bem simples: p, b e m são consoantes a que chamamos bilabiais, isto é, são consoantes que, para serem proferidas, os lábios precisam-se tocar.

Logo no primeiro período da minha graduação, cursei uma disciplina chamada Linguística I - Fonética e Fonologia. Durante algumas aulas, os alunos ficavam parecendo um bando de loucos articulando consoantes "no ar". :) A questão é que, para a maioria das pessoas, consoantes são bê, cê, dê, efe, gê, etc., ditas dessa forma. O que acontece, na verdade, é que, na faculdade, eu precisava articular apenas as consoantes. Para os leigos, é como se eu "fingisse" fazer o som que faz a consoante, sabe? Finjo que vou dizer "bê" e, antes de pronunciar o "ê", eu me calo. :)

Pra que serve isso?

Quando articulamos as consoantes dessa forma, percebemos suas semelhanças e diferenças quanto à articulação. As semelhanças entre p, b e m, de uma maneira didática, podem ser explícitas da seguinte forma:


Bilabial
Nasal
Vibração das cordas vocais
[p]
+
-
-
[b]
+
-
+
[m]
+
+
+

Mas por que isso interfere na grafia das palavras?
Quem fala inglês entenderá mais facilmente: tomemos como exemplo a palavra comfort (conforto). A pronúncia correta dessa palavra requer a pronúncia do [m], correto? Esse primeiro "o", ao contrário do que a maioria pensa, não tem som de "o", muito  menos de "õ", como supõem muitos falantes do português. Esse primeiro "o" tem um som que fica entre um "ó" (aberto) e um "a" mais fechado, como vocês podem ouvir aqui. Se prestarem bastante atenção a essa pronúncia do Google Tradutor, perceberão que o [m] é, de fato, pronunciado e não nasaliza a vogal anterior a ele.

Assim sendo, na língua inglesa, M pode preceder consoantes que não sejam bilabiais porque será pronunciado como M, não como consoante que apenas nasaliza a vogal anterior. (O mesmo serve para a consoante [n], que, em muitas palavras da língua inglesa, também deve ser articulada e não servirá, na grafia das palavras, como um indicador de nasalidade da vogal.)

Em português, ao contrário, uma consoante [m] (ou [n]) após uma vogal, na mesma sílaba, é sempre para indicar a nasalidade dessa vogal. Em termos de grafia, é o que chamamos de dígrafo, isto é, dois grafemas (letras) para representar um único fonema (som): campo, som, compromisso, canto, menta, conto, etc. O que a ortografia da língua portuguesa tenta, então, é respeitar as regras fonológicas que regem a própria língua, porque essas regras primam pelo menor esforço dos falantes no proferimento dos sons. :)

Viram que nem tudo é tão arbitrário quanto a gente pensa? ;)

Observação:
1 - Quem se interessar mais pelo assunto, pode conferir a página do Centro de Estudos da Fala, Acústica, Linguagem e Música, da UFMG, que traz, de maneira bem didática, uma análise dos sons do português. Lá, é possível ouvir como cada um dos sons da nossa língua são articulados pelo nosso aparelho fonador. Vale a pena! :) 


6 comentários:

Cecília Freitas disse...

falei o alfabeto todo pra ver se realmente os lábios se tocavam SÓ nelas HAIUhuaiHIUAHaiuhIUAHAU

Ana Luísa disse...

E descobriu que é só nelas? :)
O mais legal é que, se alguém articular essas três consoantes longe de você, você é incapaz de distingui-las a distância, porque, visualmente, elas são idênticas :)

O Ateliê Pau e Pano disse...

huahauhua! adorei esse post! Iago, ainda antes da alfabetização, aprendeu os sons das letrinhas! Eu admito que não fazia ideia do que era aquilo, mas tinha que ir na onda!
Hoje, ele com dificuldades de usar o V e o F no lugar correto, por exemplo : faz, ele escreve normalmente vaz... Mas... voltei o tempo e fiz ele lembrar dos sons das letrinhas!!!! Dá super certo e agora ele só escreve errado quando ta com preguiça!
beijão Anoca!
Mari (gorda)

Breno Volpini disse...

Pow, muito bacana!
Achava que fosse por arbitrariedade!
Tudo bem que é inventada, tudo o é, mas segue uma linha. muy bacana!

"Antes de p e b só se escreve m" Agora o final desse verso era: ";e no fim das palavras, também!"
sugestao: um post explicando pq disso ;)

Hítalo Silva disse...

Adorei...sou fascinado pela língua portuguesa, admiro muitíssimo a nossa gramática e gostaria muito de entendê-la sempre com clareza.
Hitalo

hitalo.silva94@gmail.com

ellis marcia batista rodrigues disse...

Tenho que dar aula sobre nasalidade e seu post me ajudou muito. Parabéns!!!

Postar um comentário

Se nós não nos conhecemos ainda, por favor, informe seu e-mail ao final do comentário ou me envie um e-mail para anocaa@gmail.com, para que eu possa entrar em contato depois.

Obrigada,

Ana.