segunda-feira, 11 de abril de 2011

Esses tais porquês

Havia perdido as esperanças de escrever aqui de novo, mas estava devendo esta postagem a Andra Jardim e, ontem, saindo com primo e amigos, a frase "Eu nunca sei usar os porquês" veio à tona no carro.

Não tiro por mim, que sempre tive relativa facilidade com as regras e as exceções da língua portuguesa, mas confesso que o uso dos porquês não é de todo complicado. E não, isso não é discurso de professor de português que sempre acha a sua matéria fácil. Se eu fosse louca, talvez o dissesse, mas uma coisa é fato: com atenção, a gente consegue entender essas peças que a ortografia tenta nos pregar.

Minha mãe se queixou de que este blog estava uma aula chata de português, mas, se servir pra ajudar alguém, que seja! :)

Vamos lá, então!? :)

Esse porquê é junto ou separado? Com ou sem acento?

É assim que tudo começa.
Não é equivocado perguntar isso ou mesmo responder "porque junto e sem acento é pra resposta; por que separado é pra pergunta. O acento vai quando ele tá no final da frase. E o porquê junto e com acento é o substantivo."

"Tá de boa", como dizemos por aí, mas nem sempre isso será suficiente. Não entro nem no mérito de serem explicações estilo "bizu", porque sou a favor da simplicidade, mas, quando a gente entende o porquê dos porquês, é bem mais simples, né? Prometo não dar nomes como "conjunção" ou "pronome interrogativo", porque talvez precisasse de outras mil postagens para explicar conjunção, pronome e pronome interrogativo. Vamos pela simplicidade, então.

E cá estão os vilões mocinhos:

Porquê - este é o mais bonitinho e fácil de entender. A palavra "substantivo" enche a boca das pessoas na hora de explicá-lo e está certo. :) Ele é, mesmo, o substantivo. No português brasileiro, vem sempre com uma outra palavrinha determinante, como os artigos e os pronomes, por exemplo.

  • Um dos assuntos mais temidos na hora de escrever é o uso dos porquês.
  • Esse tal de porquê me dá dor de cabeça na hora de escrever.
Uma boa observação sobre o substantivo é que, sendo um substantivo, ele poderá flexionar em número (singular ou plural).

Por que - este pobre coitado é, para mim, o segundo mais simples. Ele equivale a por qual motivo, por qual razão, etc., e é por isso que ele é usado em perguntas.

  • Por que é complicado usar os porquês? 
    • Por qual motivo é complicado usar os porquês?
  • Não sei por que é complicado usar os porquês.
    • Não sei por qual motivo é complicado usar os porquês.
Por quê - este eu acho mais interessante, pois as pessoas dizem "Ele vem no final da frase". É verdade, mas gosto de explicar por quê. Ele é igual ao anterior (por que, separado e sem acento). Igualzinho! O acento, ao contrário do que muitos pensam, não é diferencial, como vieram me perguntar outro dia no MSN. Esse acento tem a ver com a prosódia, ou seja, tem a ver com a acentuação da palavra. A acentuação gráfica, neste caso, existe porque há uma tonicidade natural nesse "ê" daí. No caso do "por quê", a sua localização ao final de frases faz com que esse "quê" seja tônico. Isso é da melodia da língua, não uma mera questão (orto)gráfica. Aí, no caso, pego o gancho:

1. em português, as oxítonas terminadas em "e" são acentuadas graficamente, ou seja, na hora da escrita. Por isso o porquê, substantivo, é acentuado graficamente. (Oxítonas, para quem não lembra, são as palavras cuja sílaba tônica é a última):
    • português, porquê, ponta, etc;
2. em português, os monossílabos tônicos terminados em "e" também são acentuados graficamente. Aí, como a melodia da língua faz com que o "que", em final de frase, ganhe mais força na hora da fala, ele vai ganhar o status de monossílabo tônico e, assim, recebe o acento circunflexo quando for representado por escrito:
    • pé, fé, Sé, ré, etc.
    • por quê, quando estiver em final de frase.
*Há autores que defendem a tonicidade também no meio da frase, quando antes de uma vírgula, por exemplo. Mas, por haver controvérsias, pode deixar pra acentuar só no final da frase, que "tá de boa".

Porque - este é o meu preferido, porque dizer que ele serve pra resposta é verdadeiro, mas, para mim, é BEM insuficiente. Quando você quiser introduzir uma resposta, ou seja, uma explicação ou uma justificativa, poooooode começar por ele. Mas depois tem um MAS que não deixará de relacioná-lo às justificativas, mas ele vai aparecer num jeitinho de pergunta, como num texto que minha querida amiga Doca (Amanda Meira) me mostrou semana passada.

  • Amanda enviou o texto a mim porque tinha dúvidas.
  • Porque tinha dúvidas, Amanda enviou o texto a mim.
MAS o bonitinho às vezes aparece assim, ó:
  • Amanda enviou o texto porque tinha dúvidas?
  • As zebras são listradas porque faltava tinta?
  • Você diz essas grosserias porque está zangado comigo?
Para mim, ele continua sem mistério, mas a interrogação ali no final das frases faz com que as pessoas pensem que ele introduz a pergunta, mas não é. Nessas perguntas, se a gente observar direito, constam algumas afirmações: Amanda enviou o texto, as zebras são listradas e você diz grosserias. Cada uma dessas afirmações tem uma justificativa, que é introduzida pelo porque. O lance é: a pessoa que afirma não está de todo certa dessas justificativas e, por isso, em vez de "afirmar afirmando", "joga o verde", como costumamos dizer, isso porque se quer checar se a informação procede.

Compliquei mais!?
Deem  feedback, para eu tentar melhorar.

4 comentários:

karinne_dias disse...

Não complicou. De forma alguma. Seus comentários são sempre bastante esclarecedores =)
Mas eu queria saber o que é cada porquê (substantivo, pronome, conjunção...). Só pra você dizer mesmo. Não precisa explicar, já que você precisaria de muitos posts :P
E outra coisa... por que você havia perdido as esperanças de escrever aqui? Não faça isso com a gente. É uma verdadeira aula a que temos acesso aqui na internet. E de graça hehe

Ah, você pode fazer um post sobre pontuação? É um assunto longo, né? É que eu tenho dificuldade, principalmente, com a vírgula antes e depois do "mas".

Olha, eu não te conheço. Logo, não tenho seu contato no MSN. Então, quando eu tiver dúvidas, algumas coisas pontuais, posso enviar pra o teu e-mail? ;)

E faz um favor pra mim? Corrige os erros dessa minha mensagem? hehe
Cheiro, Aninha.
Você escreve e explica muito bem!

Ana Luísa disse...

Karinne,

O recado está pra lá de Ok! :)))
Quanto aos seus pedidos, farei o possível para atendê-los, mas você precisa me dar o seu e-mail! :))

Me manda um "alô" pra anocaa@gmail.com, que a gente vai trocando ideias. Pode ser!? :)

:*

E ah! Obrigada pelos elogios!! :))

Tiberio disse...

Eu sabia mais ou menos os casos. Porém os professorem, em geral, exemplificam, mas não falam os porquês. Parabéns Anoca, excelente postagem.

Andra disse...

Adorei. Você simplificou, isso sim! Concordo plenamente com o comentário da Karinne.
Agora aprendi hahahaha


Não deixa de postar, tá!? *-*
=*

Postar um comentário

Se nós não nos conhecemos ainda, por favor, informe seu e-mail ao final do comentário ou me envie um e-mail para anocaa@gmail.com, para que eu possa entrar em contato depois.

Obrigada,

Ana.