quinta-feira, 5 de maio de 2011

Não prefiro mais

Nas redes sociais de que participo, tenho sempre perguntado aos amigos e conhecidos sobre palavras e expressões que lhes saltam aos olhos (ou aos ouvidos) nas conversas do dia a dia. Um dos meus amigos, por exemplo, me disse que não sabia haver tantas pessoas no mundo que escrevessem escultar. A minha ideia com este blog não é bem explicar regras e regras, sabe? Eu queria que fosse uma conversa informal sobre assuntos bem corriqueiros, como esses que tenho abordado.

Aí sim! Escutar, gente, não é grafada com "L". No latim, o verbo era auscultare, mas, em português, ele acabou vindo um pouquinho diferente: escutar. No entanto, também temos o verbo auscultar, em português, que também significa "ouvir", mas é um pouco mais específico e não costuma ser aplicado a qualquer audição.

Mas aí tem umas outras coisas que intrigam bastante, principalmente considerando o que falei sobre meu pai ter-me ensinado a pensar. Uma amiga me falou agora no Msn sobre o verbo preferir, que confunde muita gente quanto à regência. Sobre ele, não há muito o que filosofar: o verbo preferir é o tipo de verbo a que chamamos de transitivo direto e indireto, ou seja, aquele que precisa de dois complementos (objetos) e um deles precisa-se unir ao verbo com o auxílio de uma preposição. No caso de preferir, a preposição é a preposição "a" e só ela: Prefiro chocolate branco a chocolate ao leite / Prefiro futebol a vôlei / Preferimos pizza a crepe, etc.

É uma questão bem de decorar, sabe?

Maaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaas, como minha ideia aqui não é ensinar ninguém a decorar, tem outra coisa que me parece bem mais interessante sobre o verbo preferir! Ahá! :)

Tem uma galeeeeeera que tem uma mania muito feia de dizer que "prefere mais alguma coisa". O_o Alô-ô! A ideia de preferir é já "gostar mais de". Quando você prefere alguma coisa, está implícita no verbo a ideia de que essa coisa preferida é "a mais mais", "o supra-sumo" da categoria! :)

Dizer que "prefere mais" é a mesma coisa de de dizer "o mais perfeito" ou "o mais ótimo", saca? Perfeito e ótimo já são absolutos por essência! :)

Observações da postagem
1 - Depois do novo Acordo Ortográfico, não existe mais distinção entre dia-a-dia dia a dia (com e sem hífen). Antes, dia-a-dia era substantivo e significava rotina, cotidiano; e dia a dia era equivalente a "dia após dia". Hoje, tudo é sem hífen e a classificação quanto à classe gramatical vai depender do contexto.
2 - Acho que uma boa postagem seria sobre o porquê de algumas nomenclaturas da gramática normativa. Uma coisa por que eu briguei bastante enquanto ensinava era isso de compreender os nomes que se dão às palavras e suas funções nas frases. Nem todas têm lógica, mas ninguém questiona os postulados na Matemática, né? ;)
3 - Acho que, ao final de cada postagem, vou colocar um item desses de observação, porque sempre surgem algumas palavras ou expressões que costumam gerar confusão na cabeça das pessoas. Veremos se vai funcionar. :)

4 comentários:

Malu disse...

Você encontrou a linguagem certa para o blog. Está leve, interessante e os temas são recorrentes no dia a dia.

dandara disse...

escultar é foda... mas já me escreveram cartinha de amor com "a luz ascende" :S

Guilherme disse...

Dandara, a luz subiu!

Ana (só pra não chamar de Anoca), uma coisa que eu vejo muito é o pessoal trocar está por estar (num sei por qual motivo). Pena que eu num consigo me lembrar de nenhum exemplo =/ Quando eu achar eu te digo!

Ana Luísa disse...

Dand, é como Guilherme (só pra não chamar de "Guila") falou: a luz subiu! :D

E, Guila, já falei sobre esse assunto aqui no blog :) Acho que é a segunda postagem ;)

Postar um comentário

Se nós não nos conhecemos ainda, por favor, informe seu e-mail ao final do comentário ou me envie um e-mail para anocaa@gmail.com, para que eu possa entrar em contato depois.

Obrigada,

Ana.